UOL Estilo UOL Estilo






Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese

Neste blog Na Web

 Visitas  
 
Sigam a gente!

Quer saber tudo sobre o 02 Neurônio? Confira o passo a passo do império de comunicações em outros paradeiros:

No twitter: @02_neuronio

e no Facebook também.

 

 

:: Escrito por raq affonso às 16h45
O perigo de tentar "se abrir para o mundo"

Você está lá, no seu mundinho de sempre, com seus  amigos de sempre. Até que uma hora você pensa: “tenho que me abrir para o mundo”. Pronto. Fodeu. Tenha quase absoluta certeza de que você vai se dar mal. Acho que é a Jô que sempre me diz pelo telefone: “ai, que saco ter que se abrir para o mundo.”

Sim. É um saco. Mas às vezes o mundo vem te chamando para você se abrir. O mundo insiste.  E te assedia. Nesses casos, você pensa: “nossa, como eu sou preconceituosa, preciso me abrir para o mundo, não me custa.” Ok. Na hora pode até ser divertido. Mas eu te aviso: depois vai custar. E caro.

Se abrir para o mundo pode ser sair com um cara que definitivamente não é do seu mundo. Ou ir a uma festa de marca, por exemplo.

Aconteceu com um amigo outro dia. O pobre diabo, se achando muito fechado em seu mundinho, resolveu dar uma chance para uma grande festa de grife. O que aconteceu? Se irritou na porta, quase armou um barraco e nem entrou. Quem mandou tentar se abrir para o mundo?

Quantas vezes, quando um cara que não é do seu mundo te procura, você releva um monte de coisas que ele diz e pensa: “putz, normal, não posso implicar com alguém só porque ele é rico.” Eu te aviso. Continue implicando. Isso, claro, se você for uma pessoa como eu, que em geral não gosta dos ricos. Sim, eu não gosto de ricos. Qual o problema? Já tem um monte de gente que adora homem rico. Eu posso não gostar!

E se abrir para o mundo quando o assunto é música ou cinema? Roubada. Corta para você parada em um festival de música eletrônica achando tudo um lixo só porque você decidiu que os seus ouvidos precisavam se abrir para o mundo.

Quem disse que precisavam? Não, não. Melhor não se abrir para o mundo, já que ele é hostil. Ou se abrir, sim, sempre, para as pessoas do SEU mundo. Elas existem. Aos montes. E algumas delas você nem conhece. Mas não venha me dizer que ela pode ser uma pessoa rica que está em uma festa de grife! (Por Nina Lemos)

:: Escrito por 02 Neurônio às 21h21