UOL Estilo UOL Estilo






Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese

Neste blog Na Web

 Visitas  
 
Os carimbadores malucos

Lembram do carimbador maluco do plunct plact zum? Aquele programa apresentado pela Areta, filha do Antonio Marcos, o intérprete da obra prima “Amor Melhor”? Uma versão neo liberal dos carimbadores malucos está solta por aí. Cuidado. Eles estão, com seus olhares blasés, prontos para rotularem qualquer coisa que tiverem dificuldade de entender. Como, por exemplo, uma mulher livre. Ou um bom homem com total liberdade de espírito. Coloque um tipo desses na frente de um carimbador e ele já vai tratar de colocar um rótulo na sua testa: boêmios, modernos!

Vai você falar bem das roupas da Neon na frente de um carimbador maluco pra ver o que acontece. Eles logo vão falar: gente da moda, fashion (que palavra cafona, digo eu, também carimbadora, mas não maluca).

Se você gostar de coisas fúteis, como, por exemplo, manter as unhas pintadas e o cabelo bem cortado e comentar na frente de um carimbador maluco o quanto gosta de fazer essas coisas  e o preço do último creme da Lancôme que comprou, logo será chamada de fútil.

E se você for essas coisas todas ao mesmo tempo, o carimbador começará a ficar cada vez mais enlouquecido tentando te compreender. E vai voltar pra casa com uma anotação mental onde você é considerada: boêmia, moderna, fashion e fútil. Mas na hora em que você diz que o lugar mais bacana que conheceu na vida foi Cuba, ele vai começar a ter espasmos de nervoso por falta de compreensão e vai concluir que você é uma boemia, moderna, fashion, fútil e comunista.

Os carimbadores malucos são irritantes. Mas, na real, é ótimo dar trabalho pra essa gente. Que eles gastem seus neurônios com uma coisa tão idiota quanto tentar entender as pessoas por meio de rótulos é um desperdício doido de inteligência, certo. Mas isso é problema deles. E como diz V.: deixa que eles rotulem logo. Assim pelo menos eles saem de perto e deixam a gente em paz..

(Nina Lemos)

:: Escrito por 02 Neurônio às 21h29
Déficit de atenção

 

Concentração. Vou mandar esse texto. Juro. É fácil. Vou conseguir me concentrar. Sim, ele me ligou. E agora? Será que eu quero? Será que ele quer? Algum aperto no peito. Vou fumar um cigarro. Telefonema para a Jô. Conto que ele me ligou. Tiro um livro de poesias do Mario de Sa Carneiro da estante. "O que um homem vai achar se chegar na  minha casa e encontrar uma Contigo na mesa de cabeceira?" "Esconde essa Contigo, Nina, a não ser que você queira fazer a excêntrica". "Jo, posso ler um poema pra vocë?" Jô (que também tem que entregar um trabalho atrasado: "Pode claro."

"Eu queria ser mulher para poder me estender

ao lado dos meus amigos, nas banquettes  dos Cafés

Eu queria ser mulher para poder estender

pó de arroz pelo meu rosto, diante de todos, nos Cafés

 

Eu queria ser mulher para não ter que pensar na vida

E conhecer muitos velhos a quem pedisse dinheiro..."

 

"Que fofo, o Sá Carneiro queria um senhor que ajuda!". "O tema da minha análise hoje foi sobre falta de concentração. Você não acha que a gente devia arrumar secretárias." "Não. Acho que o problema está na gente mesmo". "Tocou a outra linha. Já te ligo". Vou ver meu horóscopo. Depois só vou ouvir uma música nova do Jarvis, juro,e vou acabar o maldito texto. Será que eu devo ficar com ele? Será que ele deve ficar comigo? É isso. DDACP. DESVIO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO CAUSADO PELA PRETENDÊNCIA. Eu, que antes só era fóbica. Será que eu devo ficar com ele? E o texto? Eu amo o Mario de Sá-Carneiro.

(Nina Lemos)

 

 

 

:: Escrito por 02 Neurônio às 16h16

Eu te amo

No começo você fala no máximo: você é demais. Você é incrível. Você é um fofo.

Daí as coisas evoluem. Você pensa: Já é hora de liberar o "eu te amo"? Não! Ainda não. Afinal, ele não falou nada. E a pior coisa que pode acontecer numa pretendência é você falar o "eu te amo" no momento errado. Porque simplesmente a pessoa pode falar: que bom! Ou rir amarelo.

Então você começa a falar um "eu te adoro". No fundo, eu te amo e eu te adoro são quase a mesma coisa. Mas o eu te adoro é menos impactante.

Até que um dia, depois de várias champanhes, ele fala: eu te amo. E daí você libera. Sem nenhum risco de ouvir da pessoa: ah ta.

Só que mesmo no começo, o "eu te amo" não é liberado totalmente. Você não acorda e sai gritando eu te amo aos sete ventos. "Você é muito contida", diz o pretê. Tombos amorosos, você pensa. Muitos eu te amos em vão. Agora o momento é de cuidado.

Mas aí um dia um telefonema descontrol é dado no meio da madrugada apenas para dizer um eu te amo. Daí liberou. Geral. Inclusive, se eu quiser, posso mandar fazer um faixa daquelas escrita Eu te amo e mandar botar no meio da rua.

E viva os eu te amos. descontrols ou cuidadosos. noturnos, diurnos ou no meio da madrugadas. menos os bregas das faixas. se bem que todos eu te amos são meios bregas.

 

:: Escrito por raq affonso às 12h24

A mulher de 1900 no verão

Dentro de mim mora uma mulher fresca, daquelas de antigamente. Essa versão de mim mesma é a que anda pela rua no verão achando que vai desmaiar. Sim, porque a mulher fresca (histérica!) de 1900 sofre de vertigens e pressão baixa. E é só o calor chegar para esses sintomas aumentarem ridicularmente.

Lá vai a moça fresca, 35 graus no termômetro, andando até a esquina para comprar comida para os gatos. O suficiente para achar que vai desmaiar e gritar “que está o maior calor do mundo e ela corre o risco de morrer ”. A mulher é tão fresca que acha que agora só pode entrar em lugares que tenham ar condicionado (como se a casa dela tivesse). E não pode ir a clubes (como se no inverno tivesse ido, hehhehe) porque o ar condicionado nunca é forte o suficiente, o que faz com que ela sempre acabe a noite meio amarela.

Seria ótimo que a mulher fresca que existe dentro de mim parasse de existir no verão. Mas, pensando bem, é bem mais fácil comprar um aparelho de ar condicionado. E recuperar o hábito de usar leque. Sim, o leque! E além de tudo a mulher fresca ainda precisa arrumar um novo amor.Mas com esse calor... (por Nina Lemos)

:: Escrito por 02 Neurônio às 15h17